Notícias

Abimaq defende continuidade do PAC

Com o propósito de apresentar medidas para política industrial e sugestões de mercado, a Abimaq abordou a importância do PAC.

Com o propósito de apresentar medidas para política industrial e sugestões de mercado, a Abimaq abordou a importância do PAC.

 

Na última quinta-feira (6), foi realizada uma coletiva com a Abimaq para esclarecer a situação do segmento e  apresentar medidas para política de mercado.

 

 O chefe de gabinete da presidência da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Lourival Júnior Franklin, defendeu a continuação do Programa de Aceleração do Crescimento PAC, que doa retroescavadeiras, motoniveladoras, pá carregadeira e outros equipamentos que visam melhorar  a qualidade das estradas vicinais do interior  do Brasil.

 

“Sentimos o desejo de dar continuidade a esses investimentos, mas sentimos também a forte disputa interna. A fazenda querendo cortar gastos, inclusive investimentos e o MDA (ministério do Desenvolvimento Agrário), tentando diferenciar, qualificar alguns investimentos que teriam que ser preservados. A  gente entende que se o programa mais alimentos, o programa PAC tenham que ser preservados por que são fundamentais para aumentar a produção e escoamento da agricultura familiar no Brasil, e já beneficia quase 1 milhão de agricultores que compram esses equipamentos com a taxa baixíssima,  mas há uma dificuldade, um embate interno, nós inclusive vamos participar fazendo nossa parte de tentar fazer com que o Governo entenda a importância do PAC ter continuidade. Nós iremos escrever uma carta, para os principais ministérios explicando isso, vamos fazer a nossa parte.” Argumenta Franklin.

 

Porém para o Locador de máquinas e equipamentos a doação só é vantagem  para os  políticos e as grandes indústrias. Veja, os municípios que aderiram o benefício, tinham que ter como pré-requisito uma população com o fluxo habitacional de 50 mil pessoas, relativamente municípios pequenos e em condições precárias para tal situação pois não dispõem de profissionais especializados para suportar tal projeto, que necessita de planejamento e organização para ser bem sucedido, ter ao menos operadores especializados, mecânicos, fiscalização e um suporte em geral, para que o andamento dessa ação do governo não fique ociosa por imprevistos como a falta de manutenção e profissionais capacitados para lidar com os equipamentos doados.

 

 Para o Diretor da Locatror, Maurício Briard é um investimento mal aplicado da parte do governo  “Eu acredito que doar máquinas à municípios sem saber suas necessidades específicas, é uma desvantagem para todos. É uma deturpação do dinheiro público.”  Argumenta ainda que, por se tratar de municípios pequenos, estes não teriam a possibilidade de arcar com despesas do tipo defeito.

 

Interesses a parte, de com acordo o chefe de gabinete da presidência da Abimaq em meio a situação política e econômica delicada em que o Brasil está, a solução mesmo seria alavancar as empreiteiras para que o setor que é de total relevância para o País voltasse a dar bons resultados.

Página Relacionada: Nenhuma Página Informada

Matéria no NoticiadorWeb: Abimaq defende continuidade do PAC

Autor: Ramone Soraia

Data de Publicação: 20/05/2015

Esta notícia já foi visualizada 577 vezes.

Esta notícia ainda não tem comentários.

Deixe um comentário

Nome  
E-mail  
Telefone  

Desejo receber notificações se alguém mais comentar a noticia.